Plasticidade do tecido adiposo explicado a jovens por investigadoras NMS

As investigadoras do grupo Controlo Neuronal das Doenças Metabólicas publicaram na Frontiers for Young Minds uma revisão do conhecimento existente sobre a forma como as nossas células que acumulam gordura evoluem ao longo do tempo. 

Sílvia Conde, Rita Figueiredo, Ana Soares e Fátima Martins

O tecido adiposo tem três tipos distintos: o branco, das comidas que ingerimos; o castanho, responsável pela produção de calor; e o bege, um estadío intermédio entre os outros dois. 

As estudantes Ana Soares e Rita Figueiredo, estagiárias de Bioquímica da FCT NOVA, com a orientação das investigadoras Fátima Martins e Sílvia Conde, contribuíram para a literacia científica de jovens nesta revista do grupo Frontiers, resumindo o conhecimento existente sobre a evolução do tecido adiposo ao longo do processo do envelhecimento. O processo de revisão por pares desta revista passa também por revisores jovens que garantem que o conteúdo é compreensível para todos.

A investigação sugere que as células do tecido adiposo têm a plasticidade para passar de tecido branco, o mais prejudicial para saúde e que afecta doentes com diabetes e obesidade, para tecido castanho ou bege. Duas estratégias, testadas em ratinhos, podem passar pelo recurso a baixas temperaturas e uma dieta menos calórica para diminuir a quantidade de tecido adiposo branco.

Vejam este artigo de divulgação científica no site da Frontiers for Young Minds.

fym2

Hábitos não saudáveis, como comer muitos alimentos com alto teor de gordura e açúcar e/ou não fazer exercício suficiente, leva ao aumento do tecido adiposo branco e ao clareamento do tecido adiposo castanho, pois os adipócitos têm que armazenar grandes quantidades de gordura. No entanto, estudos em ratos e ratinhos indicam que a exposição a baixas temperaturas e uma dieta saudável podem aumentar a quantidade de tecido adiposo castanho.